Dayse Cristina Oliveira Melo | Comportamento

Amamentação Exclusiva

Recomendação é que amamente exclusivamente até os 6 meses e de forma complementar até dois anos ou mais.

Publicado em 06/10/2017

Dayse Cristina Oliveira Melo

Dayse Cristina Oliveira Melo - Comportamento

Colunista
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus
Amamentação Exclusiva

Em 1991 a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu as primeiras definições para o aleitamento materno. Dentre essas, a de que a criança somente é considerada em aleitamento exclusivo quando recebe somente leite humano, sem nenhum outro líquido como águas, chás e sucos.

 

Mas, ainda assim, existe uma dúvida na sociedade sobre essa exclusividade e sobre o momento exato para introdução de outros líquidos e alimentos.

 

De 1979 até 2000, a OMS recomendava aleitamento materno exclusivo por 4 a 6 meses, mas a partir de 2001, passou a recomendá-la por 6 meses, com base em evidências científicas sobre os benefícios da amamentação exclusiva até essa idade.

 

A importância do aleitamento materno tem destaque sobre a influência positiva na sobrevivência, na saúde e no desenvolvimento das crianças, sem distinção de renda familiar.

 

No Brasil, as taxas de aleitamento materno exclusivo cresciam em 2008, mas ainda permanecia aquém do que se esperava mundialmente. Atualmente, temos uma média de 54 dias de aleitamento exclusivo no país.

 

A falta de conscientização geral e direta sobre sua importância é um impeditivo para sua crescente observância. O conhecimento não garante mudança de atitude, mas é um passo para uma possível mudança.

 

Profissionais com práticas inadequadas e despreparo capacitacional, também fazem com que a amamentação não seja prioridade.

 

Um profissional bem capacitado pode auxiliar muito com aconselhamentos e melhores habilidades clínicas para um processo de amamentação mais prolongado.

 

A mãe, muitas vezes em meio a tantas crenças e mitos, vê-se despreparada e sem apoio, gerando falta de confiança, baixa autoestima e desistindo de amamentar.

 

Os benefícios são inúmeros e devemos a cada dia enumerá-los e conscientizar a sociedade.

 

Nós acreditamos e muito na Amamentação!

 

Interaja conosco pelas redes sociais e nos ajude a conscientizar mais e mais pessoas sobre a importância do processo de amamentação: @amamaenasceussessoria e @somosmaesdeprimeiraviagem

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Sobre o colunista

Dayse Cristina Oliveira Melo

Consultora Materna Especialista em Aleitamento Materno
Consultora do Sono Infantil 
Proprietária da A Mamãe Nasceu Assessoria
Mãe do Henri e esposa do Carlos