Mães & Filhos | NOTÍCIA

O que é o apadrinhamento afetivo?

Projeto pretende criar laços afetivos para crianças e jovens com chances remotas de adoção.

Publicado em 09/06/2017

Laís Bola

Laís Bola - Conteúdo Somos Mães Agência Digital

Somos Mães de Primeira Viagem
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus
O que é o apadrinhamento afetivo?

Desde 2015, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) implantou o programa de apadrinhamento afetivo para crianças e adolescentes que vivem em abrigos, assim, jovens com poucas chances de adoção têm a oportunidade de construir vínculos fora da instituição. 

 

O padrinho ou madrinha não tem a guarda da criança, mas se torna uma referência e proporciona a vivência familiar a ela. A pedagoga Débora Ablas, que apadrinhou dois garotos, explica: "Você tem um compromisso moral com a criança, esta relação é acompanhada pela Vara da Infância e Juventude (VIJ) até o menor completar a maioridade. É um compromisso sério e duradouro para ambas as partes!"

 

Estão aptos a participar do programa as crianças entre 7 e 17 anos e 11 meses ou portadores de necessidades especiais de qualquer idade. 

 

Tipos de apadrinhamento

 

Afetivo - Visita o afilhado em datas acordadas e pode retirá-lo para passeios e atividades fora da instituição.

 

Prestador de Serviço - voluntários que atendem em abrigos de acordo com a sua especialidade.

 

Financeiro - a ajuda é somente financeira ao afilhado, à instituição ou ambos. 

 

Quem pode apadrinhar

 

Qualquer pessoa pode se candidatar ao apadrinhamento, mas é necessário passar por um curso de formação e também podem escolher se desejam uma criança ou um grupo de irmãos. "O candidato participará de alguns encontros e receberá uma cartilha, a fim de conhecer o perfil dos "afilhados", geralmente o apadrinhamento ocorre apenas nos casos de crianças que já estão sem esperanças de ser adotadas", explica Débora.

 

Como funciona

 

No caso de apadrinhamento afetivo, a cada quinze dias as crianças encontram-se com as famílias para passeios e eventos. A ideia é que os padrinhos passem finais de semana, feriados e parte das férias com o afilhado para oferecer vínculo afetivo e oportunidades.

 

No caso da pedagoga, que ainda não tem a autorização formal, é combinado as saídas com horário marcado: "já participei de dois encontros coletivos de padrinhos com os afilhados, de uma reunião na VIJ e agora estamos aguardando a visita da equipe técnica em nossa casa para a próxima etapa que deve ser uma audiência com a juíza  do projeto. Quando estiver de posse do termo de apadrinhamento daí poderemos viajar, passar férias, entre outros".

 

Maioridade

 

Um dos objetivos do projeto é ajudar os adolescentes a encontrar um caminho depois da maioridade, quando saem do abrigo. Débora conta que pretende ajudá-los a encontrar uma ocupação e moradia: "esta não é a obrigação dos padrinhos, mas como sou militante da área social e como sofri muito no processo de desabrigamento de um garoto do abrigo. Desta vez farei diferente! E em seguida é uma preocupação natural de família, ver como estão, aconselhar... Convidar para o almoço, etc."

 

Carinho

 

O projeto não é só benéfico para as crianças e adolescentes, mas também para quem decide apadrinhar. 

 

A maioria chega a adolescência com muita insegurança e falta de laços afetivos fora do abrigo. 

 

De acordo com Débora, a principal necessidade é de afeto: "para eles é muito importante conviver numa casa em que possam pegar uma fruta na geladeira, assistir tv na hora que quiserem. Mas no abrigo tudo é muito institucionalizado. Outro dia eu pedi ao meu afilhado que pegasse um tomate enquanto cozinhava e este simples pedido o paralisou! Ele não sabia como se comportar porque desde o acolhimento não pode acessar a geladeira. Então, o convívio fora da instituição é o melhor que podemos oferecer muitas das vezes!"

 

E ela finaliza com um recado para quem pensa em apadrinhar: "eu diria que recebo muito mais do que dou. O carinho, o sorriso ao te ver chegar, isso tudo não tem preço!"

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus